SETEMBRO AMARELO: uma luz na escuridão



O dia 10 de setembro é o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio e tem como principal objetivo a conscientização a respeito desta triste realidade. Os dados da Organização Mundial de Saúde revelam que, a cada três segundos, uma pessoa atenta contra a própria vida e a cada 40 segundos, uma pessoa morre por suicídio no mundo.
A tentativa de suicídio geralmente ocorre quando o sofrimento psíquico se torna insuportável. É comum atribuirmos o suicídio a um fator específico, mas diversos fatores podem estar envolvidos. Existe a crença de quem fala não faz, mas isto não é verdade. Muitas vezes a pessoa dá sinais desse sofrimento, mas infelizmente em diversos casos, estes sinais passam despercebidos ou pior, em algumas situações eles não são considerados como risco eminente. Algumas mudanças de comportamento, choros constantes, pensamentos e comportamentos autodestrutivos, e falta de sentido na vida são alguns sinais que não devem ser ignorados.
A pessoa que tem uma ideação suicida, geralmente não tem o desejo genuíno de morte, na realidade ela vislumbra a morte como uma possibilidade de saída para seu sofrimento, que é sentido como insuportável. Em suma, o objetivo é eliminar o seu sofrimento.
Aproveito este espaço para destacar a importância de se falar cada vez mais sobre doença mental, pois infelizmente ela ainda é tratada com enorme descaso. É comum observarmos alguns transtornos; como a depressão, por exemplo, sendo considerada como frescura ou fraqueza. Aspectos psicológicos devem receber a devida importância e atenção. Os transtornos precisam ser definitivamente tratados como doenças, e a pessoa que sofre deve ter os cuidados e condições necessárias para o devido tratamento. Vivenciar a doença já é difícil, mas se torna ainda mais desafiador quando se torna necessário provar que se está doente.
Diálogos sobre este tema são fundamentais para que haja cada vez mais possibilidades de construção de estratégias de enfrentamento destas questões. Em meio a este período de pandemia, precisamos estar atentos não apenas à questão do isolamento social, mas às consequências causadas por este momento delicado. A pessoa em sofrimento, precisa ser ouvida com respeito, sem julgamentos, ou comparações. Ela necessita de apoio e deve ser motivada a procurar ajuda psicológica o mais rápido possível, pois dificilmente procura ajuda por conta própria.
A psicoterapia é um recurso de muito valor para o reconhecimento dos sentimentos e emoções e tem por objetivo auxiliar a pessoa em seu autoconhecimento. Este processo possibilita o desenvolvimento de recursos para lidar com questões internas e maior capacidade de reflexão para a busca de soluções diante das dificuldades. A partir do reconhecimento dos espaços internos e sua organização, as limitações e potencialidades de cada pessoa nos seus desafios pessoais serão trabalhadas.
O suicídio é um problema que afeta o coletivo e deve ser discutido por toda a sociedade a partir de um olhar preventivo e educativo. Pensar sobre o assunto é preciso, mas divulgar cada vez mais a importância do respeito às pessoas, aos parentes e amigos que estão vivenciando esse tipo de conflito é fundamental.
Muitas pessoas evitam falar sobre este tema, que ainda é um tabu, por acreditarem que podem incentivar aqueles que têm ideações suicidas, mas a própria campanha demonstra que o efeito é justamente o contrário: Falar sobre suicídio é uma forma de prevenção.
O cuidado com a saúde mental é tão importante quanto o cuidado com a saúde física e a reflexão proposta por esta campanha no mês de setembro precisa ser reforçada ao longo de todo o ano. Todos estamos percorrendo o mesmo caminho, sendo assim, ajudar e ser ajudado é sempre uma possibilidade real. A responsabilidade é de todos e para com todos. Atentos ao sinal amarelo é possível trazer esperança de dias mais coloridos. Esse é um direito humano, e que consiste sobretudo, em um olhar para a vida.

 

Malena Quintanilha é psicóloga e assistente social formada pela PUC-Rio. Atualmente trabalha na Pastoral Universitária Anchieta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *